domingo, 19 de abril de 2009

LETRAS ESPELHADAS: O QUE FAZER?

Espelhar letras e números é comum no início da alfabetização, mas este ano tenho um grande número de crianças da turminha do meu 2º ano “virando” tudo! Com a ajuda da minha querida colega, professora da Sala de Recursos e especialista em Ensino Especial, a Lisi, comecei a pesquisar o assunto para poder ajudar os alunos a superar suas dificuldades.


Por ser ainda o 2º ano de alfabetização, algumas trocas fazem parte, já que as crianças estão sistematizando suas hipóteses de escrita, porém alguns alunos espelham palavras e frases inteiras. Pesquisando sobre o assunto, descobri que esta pode ser uma característica de DISGRAFIA. Mas isso não significa que as crianças que espelham letras e números sejam disgráficos! Os especialistas não consideram o ‘espelhamento’ um problema de aprendizagem, dependendo da idade da criança.


Jesus Garcia coloca que uma disgrafia típica seria a escrita em espelho, ou escrita espelhada. A criança que escreve em espelho não tem uma representação estável dos traços componentes dos grafemas e possui apenas parte da informação, por isso, produz uma confusão e uma escrita em espelho.


Segundo Valquiria Miguel Luchezi, algumas das possíveis causas são: déficit no domínio da ação, da motricidade, da organização temporo-espacial e na dominância lateral, podendo ser acrescentados distúrbios de atenção e da memória. As maiores dificuldades são situar as diversas partes de seu corpo, umas em relação às outras, as noções de alto, baixo, frente, atrás e sobretudo, direita e esquerda. Cada letra é percebida isolada e corretamente, mas as relações que a criança estabelece entre elas não são estáveis, dependem do sentido de deslocamento do seu olhar, esquerda-direita, ou vice-versa.


A coordenadora pedagógica Bettina Aroucha, explica que o motivo mais comum para as crianças em fase de alfabetização escreverem espelhado relaciona-se à imaturidade dos neurônios, que ainda não permite à criança um domínio completo de posições e direções espaciais. A lateralidade também pode estar indefinida, impossibilitando o aluno de transferir as noções de direita e esquerda para algo externo a si próprio, no caso, a folha de papel. Ele é capaz, por exemplo, de mostrar sua mão direita, dizer quem está sentado do seu lado esquerdo, mas ainda não identifica o lado direito de um colega à sua frente ou a posição da letra P.


Betina também afirma que outro fator responsável pelo espelhamento nessa idade é a chamada “fase de ensaios”. Até atingir a escrita alfabética a criança faz várias tentativas nas quais cria e recria o sistema de escrita. Nesse processo, podem aparecer números no meio das palavras, ou letras e frases invertidas, pois os aspectos gráficos não são a preocupação maior da criança. O que ela quer é descobrir com quantas e quais letras se escreve uma palavra.


Para Luciana Márcia dos Santos, a construção da escrita é um dos últimos processos de aprendizagem e um dos mais complexos a ser adquirido pelo homem. Fundamentada em Piaget, considera que a origem do desenvolvimento cognitivo dá-se de dentro para fora, ocorrendo em função da maturidade do sujeito. Mesmo sabendo que o ambiente poderá influenciar no desenvolvimento cognitivo, sua ênfase recai no aspecto biológico, ressaltando a maturidade do desenvolvimento. Tanto como no raciocínio, o social e o afetivo também se equilibram de acordo com o crescimento do individuo.


Para Piaget, as atividades mentais, assim como as atividades biológicas, têm como objetivo a nossa adaptação ao meio em que vivemos. De acordo com essa postura teórica a mente é dotada de estruturas cognitivas pelas quais o indivíduo intelectualmente se adapta e organiza o meio. Toda criança, a partir dessa perspectiva nasceria com alguns esquemas básicos - reflexos - e na interação com o meio iria construindo o seu conhecimento a respeito do mundo, desenvolvendo e ampliando seus esquemas.


A idéia, então, é oferecer atividades para tentar superar as hipóteses iniciais, provocando desequilíbrios para que novas assimilações e acomodações ocorram. Por isso é necessário fazer sempre a análise e a reflexão lingüística das palavras, confrontando as hipóteses de escrita dos alfabetizandos com a escrita convencional. Também é fundamental propiciar atos de leitura e escrita às crianças para que aprendam ler lendo e a escrever escrevendo, por meio de atividades significativas e contextualizadas. Elas deverão ler textos mesmo quando ainda não sabem ler convencionalmente, apoiando-se inicialmente na memória e ilustração.


Agora que descobri as principais características desta dificuldade que meus alunos estão passando, vou atrás de atividades para integrar ao meu planejamento diário. Depois, os casos mais graves serão encaminhados à Sala de Recursos, para que a professora especialista possa fazer uma avaliação adequada e os encaminhamentos necessários.


PARA ACESSAR ALGUMAS SUGESTÕES DE ATIVIDADES QUE SEPAREI, CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O ARQUIVO.

Outros posts sobre o assunto:



12 pessoas deixaram comentários!:

Mari disse...

Olá Sintian!!
Aqui é a profe Marijara (fui sua aluna no curso do NIDI ano passado).
Estava com saudades e resolvi entrar em seu blog para espiar!!
Adorei este post sobre letras espelhadas. estou trabalhando com apoio pedagógico pela manhã e com certeza sua pesquisa e dicas irão me auxiliar!

Aproveitando o ensejo, inaugurei um brechó virtual para dar uma reciclada no armário!!
Quando puderes, dá uma passadinha lá e faz propaganda pras amigas!!!

http://brechotudibom.blogspot.com

Beijos!

Mari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Oi amiga eu também dou aula para alunos do 2ºano do ciclo inicial da alfabetização e é comum nesta fase esta escrespelhada. Temos que trabalhar mais a questão da lateralidade e da coordenação motora. Depois faça uma visitinha no meu blog.Um abraço

krika disse...

Olá,
Seu blog continua impecável, com muita infoamção precisa.
temos um mimo pra vc de aitude.Passe lá no nossosprojetoseideias.blogspot.com

Krika e Géssica

kbçakart disse...

Olá a todos!
Meu nome é Angelus, tenho uma filha de seis anos na fase de alfabetização. Ocorreu que ao sair o resultado da prova de matemática, a professora considerou as respostas escritas de forma espelhada erradas.
Gostaria de saber se essa atitude foi correta e o que devo fazer?

Graciette disse...

Assim como a colega acima, a professora da minha filha de 6 anos não considera certas as respostas escritas de forma espelhada. Por favor, será que vc pode enviar p o meu e-mail os exercícios citados? não consegui baixar de jeito nehum e gostaria de tentar ajudar minha filha. Obrigada, Grace (grace.assessoria@gmail.com)

ana de toledo disse...

Olá!
Que maravilha este bloguinfo!
Parabéns!

Mafalda disse...

Olá,

A minha filha entrou para o 1ªano, e a professora disse que ela escreve algumas letras em espelho revelando assim sinais de imaturidade. Tendo ficado preocupada decidi investigar um pouco sobre isso e assim descobri este blog.
Gostei muito, vou concerteza fazer algumas das actividades que sugere. Muito obrigada e parabéns

Educação disse...

Olá,

Adorei a informação, pois sou estudante de Pedagogia e a minha professora comentou sobre o assunto em relação a números, e para mim está sendo muito válido, ficar antenada para quando eu começar a prática não me perder e dar um ensino de qualidade.

Bjs
Taís

Sindy disse...

Oi Taís
É importante observar que cada caso é único e merece um atenção especial do professor. Na maioria dos casos, com as atividades que sugeri, as crianças conseguem superar suas dificuldades.
Abraços
Sintian

andressa disse...

OLá!
Tenho 17 anosm e uma priminha de 3.
Estou muito preocupada porque olhei o caderno dela e constatei inúmeras repetições da palavra "roma",que na verdade seria amor , e também "oma' dentro de um coração(amo). Enfim... fiz pesquisas no google sobre a escrita espelhada e tal...
Poderia me mandar por e-mail o que deveria fazer? exercpicios pra ela quem sabe?
Espero resposta.
Grata, Andressa S.Borges.
e-mail: andressasb93@hotmail.com

Anônimo disse...

Olá,
Tenho uma filha de 06 anos, porem ela escreve tudo revirado... meu nome, eu soletro pra ela... e ela escreve enilekcaj... e com as letras viradas ao contrario. Faço ela reescrever até ficar certo, mas é normal?
Abraços

Compartilhe