sábado, 24 de abril de 2010

Atividades para o Dia das Mães

Inspirada na campanha publicitária da Natura, "MÃE, O FEMININO DO AMOR", estou preparando algumas atividades. Uma delas será cantar uma música para as mães.



Para baixar a música basta fazer o download no site:
http://www.maeofemininodoamor.com.br/

E estou separando algumas atividades no GReader para fazer com as crianças. Compartilho aqui algumas ideias:




sábado, 17 de abril de 2010

Atividades para o Dia do Livro

Para comemorar o Dia Nacional do Livro Infantil, data escolhida como homenagem ao grande escritor brasileiro Monteiro Lobato, resolvi organizar algumas atividades com os alunos, pois acho fundamental apresenta-lo às nossas crianças e incentivar a leitura de suas obras.

1º ano

>> Assistir à peça teatral* LIVRO COMESTÍVEL, adaptação de um trecho do livro A Reforma da Natureza, de Monteiro Lobato. Clique aqui para conhecer o livro. E clique aqui para ver outras obras de Lobato.

*[a encenação foi realizada pelas professoras da escola]

>> Confecção de um mini-livro com os trechos que os alunos mais gostaram. Eles vão copiar as frases construídas coletivamente e ilustrar.

>> Hora do Conto, com a bibliotecária da escola, com obras do autor.

>> Assistir a um episódio do Sítio do Pica Pau Amarelo. Ilustrar.

>> Confecção de fantoches de palitos dos personagens escolhidos pelas crianças. Fazer pequenas dramatizações com os fantoches estimulando a oralidade.

>> Fazer "livros comestíveis" com massa de pão doce junto dos alunos. Assar no forno da escola e comer na hora do lanche.

5º ano

>> Conversar sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo (descobrir o que os alunos já conhecem) e sobre seu autor: Monteiro Lobato. Ressaltar sua importância para a literatura infantil brasileira.

>> Falar sobre EMÍLIA. Perguntar: como pode uma boneca falar? Como isso aconteceu? Explorar as ideias dos alunos antes de mostrar as duas versões do dia em que a boneca Emília começou a falar: azzzzzzzzzzzzzzzzzziiiiiiiiii






>> Falar das características dessa boneca e ouvir/assistir o clipe da música EMILIA na versão de Baby Consuelo:




>> Escrever sua própria versão da PÍLULA FALANTE, inspirada ou não nas versões anteriores.

>> Assistir ao episódio da turma do Sítio do Pica Pau Amarelo NO REINO DAS ÁGUAS CLARAS, que conta, entre outras aventuras, o dia que a boneca Emília começou a falar.

>> Passar a limpo a versão da história A PÍLULA FALANTE, fazendo a auto-correção orientada pela professora e aproveitando para comparar a sua versão com a do filme - se quiserem podem fazer modificações, acrescentando ou trocando informações.

>> Hora da leitura, na biblioteca, exclusivamente do obras de Lobato.

>> Fazer uma atividade de leitura e interpretação do texto O LIVRO COMESTÍVEL. Para ler o texto na sua versão original basta fazer download do livro aqui.

Para baixar as atividades que eu a minha colega Márcia organizamos, clique aqui.


OUTRAS IDEIAS

Muitas outras pessoas postaram em seus blogs atividades bem legais que podem ser realizadas durante todo o ano, não apenas para comemorar essa data. Eu reuni algumas no Google Reader e compartilho aqui:




E tem também algumas ideias de 2008 aqui no blog: http://bloguinfo.blogspot.com/2008/04/atividades-para-o-dia-do-livro.html

O livro comestível

Monteiro Lobato

A maior parte das ideias da Rã eram desse tipo. Pareciam brincadeiras, e isso irritava Emília, que estava levando muito a sério o seu projeto de reforma do mundo. Emília sempre foi uma criaturinha muito séria e convencida. Não fazia nada de brincadeira.

- Parece incrível, Rã! - disse ela. - Chamei você para me ajudar com a ideia da reforma, mas até agora não saiu dessa cabecinha uma só coisa que preste!

- Isso não é verdade! A ideia das tetas com torneiras na vaca Mocha foi minha e você gostou muito.

- Só essa. Todas as outras eu tive que jogar no lixo. Vamos ver mais uma coisa. Que acha que devemos fazer para a reforma dos livros?

A Rãzinha pensou, pensou e não se lembrou de nada:

- Não sei! Parecem-me bem como estão.

- Pois eu tenho uma ideia muito boa - disse Emília. - Fazer um livro comestível.

- Que história é essa???

- Muito simples. Em vez de impressos em papel de madeira, que só é comestível para o caruncho, eu farei os livros impressos em um papel fabricado de trigo e muito bem temperado. A tinta será estudada pelos químicos - uma tinta que não faça mal para o estômago. O leitor vai lendo o livro e comendo as folhas; lê uma, rasga-a e come. Quando chega ao fim da leitura está almoçado ou jantado. Que tal?

A Rãzinha gostou tanto da ideia que até lambeu os beiços.

- Ótimo, Emília! Isto é mais que uma ideia-mãe. E cada capítulo do livro será feito com papel de um certo gosto. As primeiras páginas terão gosto de sopa; as seguintes terão gosto de salada, de assado, de arroz, de tutu de feijão com torresmos. As últimas serão as da sobremesa - gosto de manjar branco, de pudim de laranja, de doce de batata.

- E as folhas do índice - disse Emília - terão gosto de café - serão o cafezinho final do leitor. Dizem que o livro é o pão do espírito. Por que não ser também pão do corpo? As vantagens seriam imensas. Poderiam ser vendidos nas padarias e confeitarias, ou entregues de manhã pelas carrocinhas, juntamente com o pão e o leite.

- Sim - disse esta muito satisfeita com o entusiasmo da Rã. - Porque, afinal de contas, isso de fazer os livros só comíveis para o caruncho é bobagem, podemos fazê-los comíveis para nós também.

(Texto adaptado, retirado do livro A REFORMA DA NATUREZA)

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Jogo sobre a dengue

Depois de trabalhar sobre a dengue com meus alunos do 5º ano (veja aqui como) organizamos um texto coletivo com as principais informações. Para acessar o texto e utilizá-lo com seus alunos, clique aqui e faça o download.

A partir do texto coletivo construimos um jogo no estilo "tapa-tapa". Elaboramos perguntas com as informações mais relevantes e confeccionamos cartões com elas. Para acessar as perguntas e fazer download clique aqui.

Elaboramos as regras antes de começar a jogar. Em grupos com quatro componentes os alunos deveriam se dividir em duplas. Um seria o juiz para marcar os pontos e controlar quem deveria responder. Outro teria que ler as perguntas. A outra dupla teria que "bater" com as "mãozinhas mata moscas" (compradas em lojas de R$ 1,99). Aquele que acertasse a resposta marcaria um ponto. O jogo prosseguiu até todos os componentes participarem.

Além de divertido, o jogo foi muito instrutivo. No final, todos ganharam um livro de passatempos sobre a dengue distribuído pela Fundação Educar da DPascoal.

Veja o material necessário - que pode ser substituído por mata-moscas comuns e até as próprias mãos das crianças:


E veja a concentração dos alunos...

Seguem alguns materiais de apoio para a construção do texto coletivo - usamos as versões impressas disponíveis na biblioteca da escola:



Para saber mais, clique aqui.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.